21 – 24SET _ programa

21QUI | 20h | PUAPontoEncontro

22SEX | 17h | Jardim da Praia da Saúde

22SEX | 20h | PUAPontoEncontro

22SEX | 21h | PUAringue

23SAB | 18h | Jardim da Praia da Saúde

23SAB | 21h | PUAringue

23SAB | 20h | PUAPontoEncontro

24DOM | 11h | Jardim da Praia da Saúde

24DOM | 17h | PUArelvado

Junte-se a nós e deixe-se surpreender…

Contos Cantados’, com Carlos Marques _ al.gu.res – coletivo de criação

Aqui contam-se histórias e canta-se música. Reinventa-se a palavra de forma lúdica. Recupera-se a escuta como momento de partilha fundamental para a comunidade. Este é um projeto que Carlos Marques realiza há mais de 10 anos no país e fora dele. Confundido muitas vezes com o seu homónimo alemão. Formou-se em Estudos Teatrais na Universidade de Évora e no Institut del Teatre, em Barcelona. É ator desde sabe-se lá e Contador de histórias desde 2005, intervindo em bibliotecas, escolas e em festivais de narração oral. É programador e narrador anfitrião da FESTA DOS CONTOS (Montemor-o-Novo). Foi criador dos espectáculos LEVANTEI-ME DO CHÃO (Algures 2015) COMO ASSIM LEVANTADOS DO CHÃO (2014 Algures), Abril em Portugal (2014, TERB), Constantin Gavrilovitch Acaba de se Matar (2013, PR), Baquet (2012, Trimagisto), Tio Lobo (2011, TEP) Welcome (2011, Trimagisto), Às vezes quase me acontecem coisas boas quando me ponho a falar sozinho  (2010, Trimagisto), e Narrativa fidedigna(2010, TEUC). É co-diretor artístico da ALGURES desde 2014.


Na Pele | do Fogo’, com Fernando Casaca, Susana Dagaf e Lobo _ Teatro do Elefante

O fogo aquece o corpo, ilumina o escuro e ajuda a cozinhar os alimentos. É um bem precioso, por conseguinte. Num hipotético mundo pós-apocalíptico, o fogo é crucial para a sobrevivência. Em lutas e deslealdades, e na desumanização dos sobreviventes, geram-se acidentes e os desastres surgem. O fogo, mal utilizado e sob domínio de pessoas de má índole, pode provocar incêndios. Destrói e corrompe vidas. O desacordo entre o poder do fogo e o poder de propriedade sob as matérias primas, gera o confronto da vida com a morte.


 ‘Junta-te ao Circo’, com Marco Quintino _ CataPum Produções

Acrobacia, arte do palhaço, malabarismo, andar no arame, pratos chineses, andas, soprar fogo, etc, etc.; se o seu interesse ainda não está aguçado, então também já não sabemos mais como o fazer.Marco Quintino começou a aprender técnicas de Teatro de Rua com 14. Agora, 25 anos depois, ele tem experiência internacional na criação e implementação de várias formas de teatro de rua. Da commedia dell’arte e mímica do slaapstick a várias técnicas de circo … disto tudo um pouco sabe. As suas performances têm um bom equilíbrio entre o riso e a surpresa e são sempre interativas. Pode acontecer que você, como público de repente se torne parte do acto, ou até mesmo a atracção principal (… mas sempre com uma piscadela.) Marco mostra a poesia de situações e objetos quotidianos acabando por distorcer subtilmente a realidade. (Isto resulta frequentemente num sorriso amolecido ou num riso exuberante.)


 

‘Espectáculo de fogo Faquir Ocram’, com Marco Quintino _ CataPum Produções

O pai de Ocram foi um dos melhores faquir da Europa e arredores. Ocram não, ele é um eterno “aspirante” a Mestre Faquir!!! Com certeza que ele se deita numa cama de pregos, que engole e sopra fogo, mas isto tudo contra a sua vontade. Super espetacular é o seu número de malabarismo com uma catana, um machado e uma tocha enquanto salta de pés nus em cacos de vidro.


Foto José Batista

Pirofagia’, com Fernando Casaca _ Teatro do Elefante

O fogo é o sol, o vulcão ou o raio de trovoada e, nos nossos tempos, descoberta pela ciência contemporânea, a magma que forma o centro do planeta. Ilumina; aquece; cozinha; e cria o vapor que, por sua vez, gera movimento. Ele é também o dragão, que nasce na fantasia; na expressão dos medos e desejos escondidos. As artes do fogo são tão antigas como o domínio, pelo Homem, deste poderoso elemento natural. A sua manipulação fascina, atemoriza, empolga e diverte, no Tempo e no Espaço, em qualquer idioma ou idade.


 

 Histórias contadas com oficinas, com Madalena Garnier Marques

A experiência conjunta de um livro é cheia de emoções, de interações ou de perguntas. Surpresas acontecem quando os livros ganham voz. Uma vez a história dentro das ideias, criamos algo a partir dela, seja com o corpo, colagens, comida ou sons. Maria Terra era para ter sido o seu nome, Madalena Marques é actriz, mediadora cultural e promotora da leitura. Em pequena, às escondidas, gostava de comer limão e pedrinhas de sal. Hoje ainda gosta de pedrinhas de sal, mas já não come limão à dentada. Faz…espectáculos, Histórias-concertos, oficinas, Animações de Leitura, visitas guiadas e dá formação.Trabalha em Escolas, Bibliotecas, Associações, Centros Culturais, Teatros e Museus. Tem relações frequentes com o São Luiz, o Pato Lógico, a Gulbenkian, a Orfeu Negro e autarquias como as do Barreiro, Oeiras, Cascais e Lisboa. Já foi em trabalho – fazer coisas giras – ao Brasil, a Moçambique, à Colômbia, a Itália, a Espanha, a França e à Bélgica.

Comments are closed